Atualizado em 02/02/2021

Um dos grandes inimigos dos lojistas e supermercadistas é a ruptura de estoque. Esse problema impacta na lucratividade, reduz vendas e ainda pode incidir na reputação do seu negócio.

Quer descobrir o que é ruptura de estoque e como evitar isso? Então continue lendo.

O que é Ruptura de Estoque?

Ruptura de estoque é quando o shopper deseja comprar um produto, mas não o encontra nas prateleiras da loja. Isso resulta em cliente insatisfeito e venda perdida.

Todos somos compradores, então pense um pouco. Se todo mês ao buscar um produto você não o encontra, o caminho natural é trocar de marca ou de loja. Não concorda?

O conceito de ruptura possui vários nomes, como por exemplo, ruptura de estoque, ruptura no varejo, quebra de estoque entre outros. Mas todos esses nomes significam a mesma coisa: clientes que não encontram os produtos que desejam e varejistas que perdem vendas por isso.

O que causa a ruptura de estoque?

Diversos fatores podem resultar em ruptura de estoque. Quando se encontra o motivo para este problema é possível executar ações de correção para evitar novos casos.

A seguir, vamos ver as causas mais comuns de rupturas no estoque:

  • Atraso na entrega de mercadorias;
  • Furtos (internos ou externos);
  • Falta de organização, como ter o produto no estoque e não expor nas prateleiras;
  • Falhas de gestão da empresa (cadastros errados, erros nos pedidos de compra, mau armazenamento, falta de controle de lotes / datas de validades e outros);
  • Falta de acompanhamento das vendas (sazonalidades e promoções);  
  • Entre outros.

Por isso, um setor de prevenção de perdas e uma boa ferramenta de gestão empresarial, como o Bluesoft ERP, podem ajudar (e muito!) a operação e lucratividade do seu negócio.

Consequências da Ruptura de Estoque

A falta de um produto na loja pode parecer pouco no volume total de vendas, mas uma venda é sempre uma venda. E mais, um cliente frustrado é um cliente com menor chance de retornar e sabemos o quanto isso é ruim para o seu negócio.

A ruptura em supermercados pode ter várias causas, que estão presentes em todas as etapas da cadeia produtiva. Na “melhor das possibilidades”, a falta de um produto pode ser causada pelo grande volume de vendas.

Isso acontece muito em promoções especiais quando as vendas sobem ou por um produto ser imensamente popular. Porém, esses casos costumam ser mais raros e significa que o seu comprador não previu esta demanda pontual e fez a sua loja perder dinheiro.

Mais comumente, um produto pode não ter sido reposto por falha no planejamento da loja ou, porque os estoques acabaram antes que pudessem ser repostos. Ou os estoques acabaram porque a distribuidora não conseguiu entregar. A distribuidora podia não ter o que distribuir porque o produto não conseguiu chegar no país. Várias causas que têm o mesmo resultado: vendas que não acontecem.

Como as vendas ao consumidor no supermercado são apenas a ponta final de uma longa cadeia produtiva; se não houver vendas, toda a cadeia pode sair prejudicada e o consumidor também, afinal ele não encontrou o que procurava e no final,
todos saem perdendo.

Portanto, é correto afirmar que a principal consequência da ruptura em seu supermercado, é um cliente insatisfeito e que provavelmente, não irá retornar a sua loja.

Ruptura de Estoque ou Quebras operacionais?

Muitas vezes, ruptura de estoque e quebra operacional são usados como sinônimo, porém isso é um engano. Podemos resumir estes conceitos da seguinte maneira:

Ruptura de Estoque – Quando um produto falta nas prateleiras.

Quebra operacional – Quando um produto está no estoque, mas não pode ir para as prateleiras. Por exemplo, quando a data de validade expira, o produto perecível estraga ou a mercadoria apresenta qualquer tipo de avaria.

O que fazer para evitar ruptura de estoque em sua loja?

Existem algumas medidas extremamente eficazes para evitar a quebra de estoque. Por exemplo:

  • Faça a Gestão de Estoques;
  • Realize controle de inventário periodicamente;
  • Gestão de compras alinhada com o estoque;
  • Reúna dados de vendas para compras mais efetivas;
  • Seleção de Fornecedores;
  • Invista em Tecnologia.

Agora, vamos nos aprofundar em cada uma destas dicas:

  • Faça a Gestão de Estoques

Uma boa gestão de estoque passa por saber exatamente onde cada produto está localizado (com endereçamento logístico) além de gerenciar lotes e datas de validade. Assim, o varejista não perde vendas por não encontrar ou mesmo não poder comercializar os produtos em seu estoque.

  • Realize inventário de estoque periodicamente

Com inventário de estoque realizado periodicamente é possível reduzir a lacuna entre o estoque e o controle do mesmo. O inventário de estoque é uma atividade trabalhosa, mas não se preocupe, pois há diversas tecnologias que podem auxiliar.

  • Gestão de compras alinhada com o estoque

Uma das partes de fazer Gestão de compras é estar alinhado com o estoque, isso, para comprar o suficiente para evitar ruptura e também não gerar estoque ocioso.

  • Reúna dados de vendas para compras mais efetivas

Acompanhar as vendas das lojas é fundamental para evitar quebras de estoque. Com uma boa previsão de demanda é possível antecipar o padrão das vendas e assim fazer pedidos de compras assertivos.

  • Seleção de Fornecedores

Faça uma boa seleção de fornecedores é possível mitigar problemas como atrasos na entrega, qualidade da mercadoria (que não tenham sido danificadas na entrega) e outros.

  • Invista em Tecnologia

Não é de hoje que a tecnologia é um grande aliado dos varejistas. Por exemplo, o uso de câmeras para prevenir os furtos nas lojas e até mesmo um software de gestão empresarial que irá controlar operações cruciais do negócio, como gestão de estoque, processo de compras e mais.

A quebra de estoque no Brasil

Já conseguimos perceber que a informação é a grande aliada dos varejistas contra a ruptura de estoque. Para medir como esse problema afeta o comércio brasileiro, a Neogrid uniu forças a Nielsen para criar o indicador de ruptura.

O indicador de ruptura avalia supermercados em todo o país para medir o setor. Para se ter ideia, em janeiro de 2018 o indicador de ruptura chegou a 10,29%, alto para o segmento que apresenta dados históricos de 8%.

Conceitos relacionados à Ruptura no Varejo

Há vários conceitos que são fundamentais para entender e acompanhar a ruptura de estoque. Antes de concluir este artigo, você precisa conhecer:

On Shelf Availability (OSA) – Indicador da cadeia de suprimentos que permite ao ponto de venda controlar a disponibilidade dos produtos na gôndola de acordo com expectativa de vendas. Isso, levando em conta aspectos como sazonalidade e dia da semana.

Estoque Virtual – Estoque virtual é o registro de entradas e saídas do estoque de forma automatizada. O problema aqui é quando o registro não bate com a realidade do estoque da loja, por isso, um grande aliado do controle de estoque contra as rupturas é o inventário periódico.

Sortimento – Os tipos de itens dentro de uma categoria de mercadorias. Por exemplo, muitos produtos possuem variação de cor, tamanho, etc., sendo então chamados de produtos com grade.

Ponto de Pedido – Momento em que é necessário fazer um pedido de compras para evitar a ruptura.

Estoque Mínimo (ou Estoque de Segurança) – Uma reserva de produtos que é mantida para casos excepcionais de demanda.

Conclusão

Ficou claro a importância de acompanhar (e combater) a ruptura de estoque? São muitos fatores que podem atrapalhar uma venda praticamente ganha, não é mesmo?

Por isso, não descuide dos processos que afetam o suprimento de produtos no estoque. Confie em ferramentas, como o Bluesoft ERP, que ajudam neste controle e em várias outras atividades da sua operação.

Que tal ficar por dentro dos últimos conteúdos da Bluesoft? Então inscreva-se em nossa newsletter no canto superior direito desta página.