Em ascensão no mundo, o mobile commerce ou m-commerce já chegou ao Brasil. Esse modelo de negócio promete ser uma tendência, já que com ele podemos vender para qualquer pessoa. Para isso, basta que ela tenha acesso à internet por meio de um dispositivo móvel.

Ainda não conhece o mobile commerce e quer ficar por dentro desta novidade? Então vem com a gente descobrir mais sobre essa nova tendência.

Mas afinal, o que é Mobile Commerce?

Vender pela internet já não é mais nenhuma novidade. Isso porque a utilização de e-commerce como modelo de negócio é algo bastante comum no mundo e no Brasil. No entanto, semelhante a ele, surge um novo modelo de negócio, o Mobile Commerce. Ele dispensa a necessidade de usar o computador ou laptop para realizar suas compras.

Com a popularização da internet, as empresas, comércios e marcas viram a necessidade de adaptar-se para aumentarem suas vendas. Na internet, isso significa atingir consumidores que utilizam o computador ou dispositivos móveis.

Como antes não existiam métodos exclusivos para a venda de produtos através de dispositivos móveis, é legal observar as novidades que podemos oferecer para os consumidores. Aplicativos ou sites desenvolvidos em Mobile First são intuitivos e feitos para facilitar a vida do consumidor.

Números do m-commerce no Brasil e no mundo

Segundo o estudo Análise do E-Commerce no Mundo, realizado pela Criteo S.A., as vendas realizadas por meio de dispositivos móveis foram responsáveis por 43% do total. É interessante notar que quase metade das vendas online ocorrem por meio do m-commerce, o que significa que essa tendência está em seu auge aqui no Brasil. O estudo foi baseado em dados de 80 países, em que foram analisados mais de 5 mil empresas varejistas que atuam com vendas online.

Os dados obtidos no segundo trimestre de 2018 apontam um aumento de 38% das transações via m-commerce em relação ao mesmo período de 2017. Nota-se a importância de oferecer um aplicativo para o consumidor, uma vez que as empresas que possuem essa oferta registraram um total de 31% de suas transações via app. Isso mostra como o desenvolvimento de um aplicativo com o visual de sua empresa e de fácil utilização é uma ótima estratégia para aumentar suas conversões.

Acima de tudo, é importante notar que isso é um reflexo da mudança dos hábitos da população. Analisando a pesquisa “Digital em 2019: O Uso Global de Internet se Acelera”, concluímos que que os usuários de internet no Brasil passam em média 9h e 29m do seu dia conectados. Desse total, 4h e 45m são gastos em acesso via mobile.

Ainda segundo o estudo, 68% dos brasileiros realizaram alguma compra online. Além disso, 45% dos usuários realizaram a compra via mobile. Isso mostra como esse mercado está em ascensão e com um crescimento rápido no Brasil, lembrando que em 2018, esse número era de 27%.

Diferença entre o mobile commerce e o e-commerce

Esses dois modelos de negócios constituem ótimas oportunidades de vendas pela internet, sendo que cada um deles possui suas características. No e-commerce, a ideia é vender pela internet por meio das lojas virtuais, constituindo o chamado comércio eletrônico. Parecido com esta abordagem, o m-commerce trouxe essas vendas para os dispositivos móveis, tendo eles como a principal forma de acesso à internet atualmente.

Tendo isso em vista, o m-commerce precisa de algumas particularidades para oferecer uma boa experiência para o consumidor. Por isso, os sites mobile first estão em alta, uma vez que eles priorizam a experiência do usuário nos dispositivos móveis, sem excluir o usuário dos desktops, atingindo os dois públicos.

Sendo assim, podemos dizer que os modelos oferecem a possibilidade de vender pela internet. No entanto, a diferença entre eles está na forma como os negócios são feitos. Enquanto o e-commerce utiliza exclusivamente os sites e as lojas virtuais para as vendas, o m-commerce utiliza também os aplicativos para esta mesma finalidade.

Dicas para implantar o Mobile Commerce

Ter um comércio eletrônico com vendas por meio de sites mobile first ou de aplicativos é algo bastante acessível atualmente. Por isso, para você não perder tempo e não cometer erros, confira as dicas abaixo:

Usual e simples: ao desenvolver um aplicativo ou site para o seu comércio eletrônico pense em todas as funcionalidades que ele deve ter. Mas, não deixe de lado a simplicidade e a usabilidade. Lembre-se que a experiência do usuário dentro do seu domínio é primordial para que ele volte e até mesmo indique para amigos e conhecidos a sua loja.

Velocidade sempre: ninguém gosta de esperar uma página carregar, não é mesmo? No mobile, essa experiência é mais chata ainda! Por isso você deve prezar sempre pela velocidade, aliada à boa experiência do usuário. Portanto, ofereça o menor consumo de internet possível por meio de aplicações rápidas. Assim, seu cliente conseguirá encontrar o que deseja e realizar a compra antes dos dados móveis acabarem.

Conceito mobile first

Ninguém gosta de acessar um site poluído, principalmente em um dispositivo móvel. Por isso, os donos de m-commerce precisam ter em mente esse conceito: mobile first.

Como o nome antecipa, ele é o conceito de planejar a arquitetura do seu site iniciando pelas telas dos dispositivos móveis. Após esse desenvolvimento inicial, adapta-se para o desktop ou tablets, por exemplo.

Esse conceito surgiu entre os anos de 2009 e 2010 com o diretor de produtos do Google, Luke Wroblewski, que escreveu em 2011 o livro “Mobile First“. A obra nos mostra como a priorização do mobile atualmente faz toda a diferença para a experiência do usuário.

Portanto, torna-se de suma importância priorizar alguns fatores durante o desenvolvimento do seu site/aplicativo, como:

  • Velocidade de carregamento do site/aplicativo: lembre-se, o seu consumidor busca rapidez e eficiência no mobile. Negligenciar a velocidade de carregamento do seu site/app aumentará a sua taxa de rejeição, dificultando suas vendas;
  • Pensar na experiência do usuário: esse é um fator determinante para o consumidor realizar ou não a compra. Botões de fácil acesso e um processo de compra simples e nada burocrático tornam-se importantes para melhorar a experiência do cliente;
  • Comunicação pensada no usuário: uma comunicação simples e eficiente desde a primeira palavra é o básico para chamar a atenção do seu cliente. Lembre-se de aliar isso a velocidade do seu domínio e o design pensado na experiência do usuário;
  • Análise dos dados: analisar e interpretar os passos do seu consumidor em seu site/app é essencial. Assim, você pode corrigir eventuais erros na comunicação ou de alguma pagina;

Empresas que são cases em m-commerce

A utilização de aplicativos por empresas que atuam no comércio eletrônico tem aumentado muito.

No setor de supermercados, essa utilização já ocorre com grandes redes. Esse é o caso da rede Mambo, que possui o aplicativo Mambo Delivery Supermercado Online. É importante notar que o aplicativo da rede realiza a entrega em casa, facilitando ainda mais a vida do consumidor.

Outro bom exemplo, dessa vez diretamente da Inglaterra, é o aplicativo da rede Ocado. Fundada em 2000, a organização tem o propósito de ser uma empresa totalmente conectada, facilitando a vida das pessoas. Com o avanço das tecnologias, a rede não ficou para trás e o seu aplicativo é um dos melhores disponíveis.

Seus grandes diferenciais são: a grande disponibilidade de comidas saudáveis; a diversidade de alimentos frescos e; a entrega em casa em até uma hora. Seus diferenciais contribuíram para o sucesso da rede, sendo esse um grande case de sucesso.

Conclusão

Espero que você tenha entendido sobre o m-commerce e consiga ver os benefícios que essa tendência pode trazer para o seu estabelecimento.

O mobile commerce é algo que veio para ficar e que já está, cada vez mais, ganhando robustez no mercado e entre os consumidores. Não se esqueça de melhorar sempre a experiência do seu consumidor, ela fará a diferença na hora dele escolher em qual loja comprar.

logistica lean