Não há como negar, o Varejo faz parte da vida de todos nós! Para muita gente o varejo é apenas um lugar para comprar as coisas. Mas é muito mais do que isso!

Há lojas como a loja de departamentos americana Macys com mais de 100.000 itens diferentes em estoques, negociados com mais de 3.000 fornecedores em mais de 800 lojas, e mais de 150.000 colaboradores, as pequenas lojas de conveniência com algumas dúzias de itens e poucos colaboradores.

E o varejo não acontece apenas nas lojas, vai além das lojas de departamento, supermercados e lojas de conveniência, e, na verdade, também envolve a venda de serviços como uma noite em um hotel, um exame laboratorial, um corte de cabelo, uma refeição num restaurante, uma entrega de pizza na porta da sua casa, e claro, não podemos esquecer do e-commerce, e mobile commerce, ou até mesmo dos catálogos que permitem que você faça suas compras sem nem sequer sair do conforto da sua casa. Tudo isso faz parte do fantástico mundo do varejo.

Uma característica comum de todos os varejistas, é que sempre atendem o consumidor final, e por isso está no final da cadeia de valor ou supply chain.

O Varejo, geralmente, compra produtos de um distribuidor ou atacadista, que por sua vez compra da indústria que efetivamente produz os bens de consumo.

Mas por que o consumidor não pode comprar diretamente da Indústria e cortar tantos intermediários entre ele e o produto que quer consumidor?

Um dos principais motivos é justamente o valor que cada uma das partes agrega no produto e na experiência de compra do consumidor.

De acordo com Levy, Weitz e Grewal, no Livro Retailing Management, as quatro principais maneiras pelas quais o varejo agrega valor são as seguintes:

Sortimento: Enquanto a indústria geralmente tem uma linha reduzida de produtos, como a Ambev por exemplo, que vende cervejas e refrigerantes, o varejista permite que os consumidores escolham dentre uma grande variedade de itens, de diferentes marcas, tamanhos e faixas de preços em um único lugar. Sem o varejo, o consumidor precisaria ir a dezenas de industrias para adquirir tudo o que precisa.

Venda Unitária: Para reduzir custos de transporte e logística a indústria geralmente vende apenas em grandes quantidades (caixas, pallets fechados, e containers). O varejista é especialistas em vender pequenas quantidades para cada consumidor.

Estocagem: O varejo mantém estoques para garantir que sempre que o consumidor precisar, vai encontrar o produto que precisa disponível, dessa forma o consumidor não precisa ter uma grande dispensa em casa porque sabe que sempre que precisar de mais, vai encontrar no varejo mais próximo de sua casa. É isso que permite que as pessoas morem em pequenos apartamentos nas grandes metrópoles.

Serviços: Os varejistas fornecerem serviços que tornam mais fácil para o consumidor adquirir produtos, por exemplo, oferece prazos maiores para pagamento ou aceitam meios de pagamento mais acessíveis como cartão de crédito, e vale alimentação, permitem que os produtos sejam testados e experimentados antes de se comprar, disponibilizam uma equipe especializada para tirar dúvidas dos consumidores sobre os produtos, oferecem garantia estendida, transformam os produtos (como os frios que são fatiados nos supermercados), embrulham para presente, dentre muitas outras coisas.

Na sua próxima visita ao Shopping Center, note o quão amplo é o segmento varejista, e como ele faz parte da sua vida e torna o seu dia a dia cada vez melhor, trazendo conveniência.

Pensando em contribuir para o segmento varejista, e para que os nossos clientes possam atender cada vez melhor o consumidor, a Bluesoft está sempre trazendo formas inovadoras de aplicar tecnologia ao Negócio do Varejo. O Bluesoft ERP é um Sistemas de Gestão ideal para Redes Varejistas de Médio e Grande Porte. Entre em contato com nosso time comercial e agende uma apresentação.