logistica

Esta é a segunda parte da série de Boas Práticas na Operação Logística. Se você ainda não leu a parte 01 clique AQUI.

Na parte 01 vimos que um bom começo esta em um bom endereçamento. A melhor forma de endereçar um armazém é aplicar ao endereçamento logístico a maneira como cidades e bairros identificam as moradias. O uso da ideia de áreas, ruas, prédios, andares e apartamentos ajuda muito no locomoção no interior do depósito.

Agora, nesta segunda parte, vamos tratar de um assunto de muita importância: Sinalização

Sinalização

Uma vez o armazém endereçado, agora é necessário fazer a sinalização.

Como no endereçamento, a sinalização em armazéns tem uma importância similar à de grande cidades pois, além de ajudar no tráfego, aumenta a segurança.

É útil frisar que a sinalização é o menor investimento na operação do armazém mas o seu benefício é gigante pois ele ajuda os colaboradores na localização e deslocamento agilizando todo o trabalho. Portanto é um investimento que é recuperado com rapidez.

Um erro de armazenagem onde um produto é colocado em endereço errado significa descontrole de dois endereços, o que deveria ser armazenado e aquele onde o produto foi armazenado indevidamente. Uma boa sinalização evita problemas como este.

Material usado na sinalização

É comum o uso de etiquetas de papel nas longarinas. Esse material é de vida curta e exige muita manutenção. Existem empresas que prestam serviços com criação de etiquetas metalizadas que podem ser uma melhor alternativa a longo prazo na sinalização do armazém.

Sinalização de rua

Sinalização de rua

A sinalização de ruas é realizada por placas que devem ter tamanho adequado para o local, de forma que possam ser vistas de longe. Elas devem ficar no começo, meio e fim de cada rua de forma que nas extremidades (começo e fim) elas fiquem em forma de “L”, como na imagem acima, e no centro da rua elas fiquem de forma que identifique ao colaborador onde o mesmo se encontra (suspensa ou no piso).

Etiquetas de inventário

Etiquetas de inventário

Estas etiquetas ficam abaixo de cada posição de porta-palete. Elas servem para serem lidas por colaboradores em operações de inventário pois eles precisam chegar ao local elevado para fazer a contagem das mercadorias e eles precisam coletar o endereço para fazer a associação do mesmo com a sua contagem.

Nestas etiquetas temos setas que apontam a qual nível esta se referindo. No nível do chão, como não possui longarina, a etiqueta é colocada na longarina que divide o primeiro e segundo nível com a seta apontando para baixo e os demais apontando para cima (como na imagem acima).

Etiquetas multinível

Etiquetas multinível

O operador de empilhadeira não deve precisar subir até a posição de armazenagem pois isso implicará em manobras frequentemente desnecessárias. Desta forma, a leitura do código de barras do endereço deve ocorrer na altura do operador. Daí a necessidade dessas etiquetas de multinível. Elas são colocadas nas colunas dos módulos e tem os mesmos endereços das etiquetas de inventário e devem ter uma seta indicando o lado onde estão os endereços referidos para armazenagem.

Sinalização de endereço de blocados

Muito comum em armazéns, o endereçamento em blocados corresponde ao endereços de casas em um bairro onde não há a necessidade de indicar o nível (equivalente a andares de um prédio) nem a sequência (equivalente a apartamentos).

Como eles não tem estruturas metálicas, a sinalização pode ser aplicada no piso ou pode ser aérea onde ela deve ser feita com etiquetas com material de fundo reflexível que ajuda na leitura dos códigos de barra.

Sinalização de trânsito de empilhadeiras

Sinalização transito empilhadeiras

Assim como ocorrem nas sinalizações de ruas das cidades é importante ter sinalizações para o trânsito das empilhadeiras. O objetivo delas é alertar os operadores e evitar acidentes.

Por exemplo, é comum vermos corredores onde apenas uma empilhadeira pode transitar por vez com o objetivo de otimizar o espaço. São como ruas de mão única onde é necessária uma sinalização que indique a mão de direção.

Da mesma forma, é necessário também informa a preferência nos cruzamentos com expressões do tipo “Pare”.

Faixas delimitadoras

Faixas delimitadoras

As faixas limitadoras tem largura de 10 a 15 cm e são usadas para demarcar as posições de blocados e também para alinhar os paletes no piso inferior de uma estrutura.

Faixas de pedestres

Faixas de pedestres

Assim como nas cidades, o objetivo de faixas de pedestres é evitar acidentes e auxiliar na convivência pacífica entre operadores de empilhadeira (como os motoristas nas cidades) e os demais colaboradores e visitantes (pedestres).

Algumas considerações importantes sobre os códigos de barras

  • É aconselhável usar apenas números nos códigos pois torna a codificação mais simples e, dependendo do padrão de códigos de barras, é possível compactar esta codificação de forma que sejam gravados dois dígitos numéricos no espaço de um alfanumérico.
  • É uma boa prática não usar caracteres especiais. Eles podem até aparecer nas legendas mas não nos códigos de barras.
  • É importante que a largura das barras do código sejam largas o suficiente para serem lidas a uma boa distância de forma que o operador da empilhadeira possa ler sem ter a necessidade de deslocar-se.
  • É bom que o código tenha a menor quantidade de dígitos possível. Sugestão: 10 dígitos (2 dígitos para Área + 2 dígitos para Rua + 3 dígitos para Coluna + 2 dígitos para Nível + 1 dígito para sequência)

Até a próxima.

 

Fernando Alves de Lima Jr. 

Analista de Negócios