Hoje existe muita confusão quando o assunto é fluxo de caixa, pois, para aqueles que não estão acostumados com o termo, acabam confundindo o Fluxo de caixa (Financeiro) com a Demonstração de fluxo de caixa (DFC).

Primeiro vamos elucidar os principais pontos de cada um:

Fluxo de caixa (Financeiro)

  • Analise das entradas e saídas de recursos financeiros
  • Analisar a “saúde” financeira da empresa

Demonstração de fluxo de caixa

  • Evidencia a posição financeira da empresa
  • Demonstra onde os recursos financeiros foram aplicados

Agora sim podemos discorrer sobre o tema:

O fluxo de caixa financeiro auxilia o administrador na gestão das contas da empresa.

Caso o fluxo de caixa da empresa não esteja em ordem, ele pode passar a falsa impressão de que a empresa está tendo lucro, ao invés de demonstrar prejuízo.

Segue um exemplo prático abaixo, onde podemos observar esse problema:

O administrador observa que no seu fluxo de caixa deveria entrar um valor de R$ 100.000,00 no dia de hoje, mas ao analisar suas contas viu que entrou R$ 150.000,00. Nesse momento ele tem a falsa impressão de que está com um lucro muito maior do que havia previsto.

Digo falsa impressão porque ele não se atentou que as saídas do mesmo dia, que era para ser de R$ 90.000,00 conforme estava previsto em seu fluxo de caixa , passou a ser de R$ 160.000,00, por conta de uma multa que ele não colocou no fluxo de caixa e o último dia para pagamento era hoje.

Com isso a empresa teve que solicitar crédito junto a bancos, para saldar suas obrigações e acabou gerando perda de recursos que poderiam ser aplicados em outros investimentos.

Caso o administrador tivesse feito seu fluxo de caixa com atenção e deixado organizado, isso não teria ocorrido, pois, ao analisar que não teria esse valor disponível na data de hoje, o mesmo poderia ter revisto seu fluxo e encontrado alguma alternativa mais viável para sanar esse problema.

flcaixa001

Já no caso da Demonstração de fluxo de caixa (DFC) a analise é parecida, pois, o contador, controler, administrador da empresa através desse demonstrativo consegue identificar onde foram aplicados os recursos da empresa, sejam eles com o pagamento de fornecedores, salários, juros variados, aquisição de ativos, novos investimentos entre outros.

O DFC é dividido em 3 seguimentos:

  • Atividades Operacionais – Se encontra nesse seguimento as receitas e gastos auferidos em determinado período em virtude das operações da empresa e se concentram nas disponibilidades da empresa.
  • Atividades de Investimento – São gastos registrados no realizável a longo prazo, investimentos diversos, aquisições de imobilizados ou registro de intangíveis, bem como entradas relacionadas a venda de ativos.
  • Atividades de Financiamento – São os recursos obtidos do passivo não circulante e do patrimônio líquido. Nesse seguimento se encontram os empréstimos e financiamentos a curto prazo. As saídas de recursos abrangem a amortização dessas dividas e o pagamento de dividendos ou outros valores pagos aos acionistas da empresa e distribuição de lucros.

O DFC podemos fazer de 2 formas o método DIRETO e o método INDIRETO, o mais utilizado pelas empresas é método INDIRETO, método esse que parte do resultado econômico da empresa e após os devidos ajustes chegamos ao fluxo gerado pelo caixa (disponibilidades).

Já no método DIRETO você parte de cada pagamento ou recebimento gerado pelo caixa (disponibilidades) e chega ao fluxo gerado pelo caixa, mas quando você opta por esse método o seu controle deverá ser muito mais complexo, pois, caso alguém não indique corretamente o seguimento de determinado pagamento ou recebimento o fluxo de caixa não bate.

A DFC passou ser de apresentação obrigatória para todas as empresas de capital aberto e com patrimônio líquido igual ou superior a R$ 2.000.000,oo por força da lei Nº 11.638/2007.

Já para as pequenas e médias empresas, também passou a ser obrigatória a apresentação do DFC em virtude do NBC-TG-1000, nesse caso deve se apresentar pelo menos o DFC anual junto com as demonstrações financeiras

Não existe diferença relevante entre o DIRETO e INDIRETO, a diferença está apenas na evidenciação das origens do fluxo.